23/04/2024 às 19h23min - Atualizada em 23/04/2024 às 19h23min

Deputada evangélica que defendeu sessão só com homens diz que sofre 'crentefobia'; veja vídeo

Mical Damasceno afirma que tem sofrido ameaças e ataques misóginos de 'quem diz defender os direitos das mulheres'

Julia Camim
https://www.terra.com.br
"Estou sofrendo ataques misóginos de quem me acusa de misoginia. Que hipocrisia", declarou a deputada Foto: Divulgação: Kristiano Simas/Alema
A deputada estadual Mical Damasceno (PSD-MA), que afirmou que "a mulher é submissa ao seu marido" e defendeu sessão solene na Assembleia Legislativa do Maranhão (Alema) apenas com homens, se justificou nas redes sociais sob argumento de "distorção" da fala e "crentefobia" - preconceito às pessoas evangélicas. Segundo a parlamentar, "a esquerda e os veículos de comunicação" trabalham para "pressionar e calar" os evangélicos pois "não aceitam e nem respeitam a visão de mundo dos crentes".

Em vídeo publicado no Instagram, a apoiadora do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) disse que desde a declaração dada durante sessão plenária tem recebido "ataques, xingamentos e ameaças, até de agressão física, de pessoas que dizem defender os direitos das mulheres". "Estou sofrendo ataques misóginos de quem me acusa de misoginia. Que hipocrisia", declarou a deputada.

Justificando a defesa da realização de uma sessão apenas com homens para celebrar o "Dia da Família", visto que, para Mical, "o homem é o cabeça da família", ela disse que "em momento algum quis dizer que a mulher é inferior ao homem". Segundo a deputada, a "lacrosfera" - termo utilizado pela parlamentar para se referir à mídia e à esquerda política - distorceu o que ela disse.

 
"Eu me referia a um ensinamento bíblico em que Deus designa o dever da mulher para com seu marido. Isso inclui amor, respeito, a assistência e o zelo para com seu lar", afirmou Mical. Enquanto isso, para a deputada, "o homem deve se submeter às necessidades de sua esposa e filhos, sendo o provedor do lar".
Criticando a atuação dos veículos jornalísticos e de parlamentares da esquerda, que aparecem no vídeo dizendo que a fala da parlamentar na Casa Legislativa foi machista, a deputada alega que ambos querem impor aos evangélicos "os novos formatos de família, mas não respeitam o modelo de família tradicional instituído por Deus".

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://publicanews.com.br/.
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp