02/02/2024 às 12h51min - Atualizada em 02/02/2024 às 12h51min

Marinha dos EUA destrói míssil Houthi segundos antes de navio americano ser atingido

Ataque marca primeiro uso do sistema de armas apelidado de "última linha de defesa"; míssil viajava a cerca de 965 km/h e esteve a pouco mais de 1 km da embarcação

Brad Lendonda CNN
https://www.cnnbrasil.com.br
Reprodução - YouTube
A destruição de um míssil Houthi por um navio de guerra dos EUA no Mar Vermelho esta semana marca o primeiro uso neste conflito de um sistema de armas avançado apelidado de “última linha de defesa” da Marinha.

O Phalanx Close-In Weapon System (CWIS) foi implantado pelo destróier da Marinha USS Gravely na noite de terça-feira (30) contra o que as autoridades dos EUA disseram ser um míssil de cruzeiro que chegou a cerca de 1,6 km do navio – e, portanto, a segundos do impacto.

O sistema automatizado Phalanx possui metralhadoras Gatling que podem disparar até 4.500 tiros de 20 milímetros por minuto, atingindo projéteis ou outros alvos a uma distância extremamente próxima.

“O sistema de armas Phalanx é um canhão de disparo rápido, controlado por computador e guiado por radar, que pode derrotar mísseis antinavio e outras ameaças próximas em terra e no mar”, diz o fabricante Raytheon em sua página de site intitulada “última linha de defesa”.

Os navios de guerra dos EUA derrotaram dezenas de ataques anteriores com mísseis Houthi usando defesas de longo alcance, provavelmente os mísseis Standard SM-2, Standard SM-6 e Evolved Sea Sparrow, dizem analistas. Esses mísseis defensivos atingem seus alvos a distâncias de cerca de 12 quilômetros ou mais.

Mas na noite de terça-feira isso não aconteceu por motivos que não foram revelados.

Tom Karako, diretor do Projeto de Defesa contra Mísseis do Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais, disse que era “preocupante” que o míssil Houthi tenha chegado tão perto de um navio de guerra dos EUA.

“Se estiver indo em um ritmo muito bom, 1 milha [cerca de 1,6 km] não significa muito tempo em termos de tempo”, disse Karako.

O analista Carl Schuster, ex-capitão da Marinha dos EUA, disse que o míssil Houthi, viajando a cerca de 965 km/h, estava provavelmente a cerca de 4 segundos de atingir o navio de guerra dos EUA quando foi destruído, pelo que provavelmente durou 2 a 3 segundos a rajada de tiros de metralhadora pelo sistema Gravely’s Phalanx.

Ele observou que destruir um míssil a uma distância de 1,6 km não impede necessariamente que os navios de guerra sejam atingidos por destroços.

“Os mísseis não evaporam quando destruídos, eles enviam milhares de fragmentos e peças da estrutura dos mísseis”, disse Schuster. “A boa notícia é que as peças mais leves desaceleram rapidamente, mas pedaços grandes podem voar até 500 metros.”

Quanto mais próximo o míssil estiver do navio quando destruído, maior será o perigo para o navio, com pedaços maiores capazes de penetrar partes não blindadas do casco e da superestrutura a cerca de 200 metros, disse Schuster.

No caso de um míssil de cruzeiro subsônico como o encontrado pelo Gravely na terça-feira, “dependendo da detonação da ogiva, do tamanho dos destroços, do ângulo de voo do míssil e da altitude no momento da destruição do míssil, cerca de 2% dos destroços podem atingir o navio”, ele disse.

Até 70% dos destroços de mísseis que viajam a uma velocidade mais rápida, como mísseis de cruzeiro supersônicos ou mísseis balísticos, provavelmente atingiriam um navio de guerra após serem atacados pelo Phalanx, disse ele.

O Phalanx tem um alcance de altura limitado, podendo nem ser capaz de atacar mísseis balísticos que caem de cima de um navio de guerra, acrescentou Schuster.

Mesmo com essas ressalvas, o Phalanx é um armamento importante para a Marinha dos EUA.

Desde a sua introdução em 1980, está agora instalado em todos os navios de superfície da Marinha dos EUA, e pelo menos 24 aliados dos EUA também o utilizam, de acordo com a Raytheon, que observa que a versão terrestre já esteve em combate antes.

Ainda não se sabe se ele será utilizado nas atuais hostilidades no Mar Vermelho. Mas os Houthis apoiados pelo Irã não mostram sinais de abrandar os seus ataques à navegação comercial e aos navios de guerra nas águas em redor da sua base no Iêmen, que afirmam ser uma retaliação contra Israel pela sua guerra em Gaza.

Um dia depois do ataque ao Gravely, o Comando Central dos EUA informou que outro destróier dos EUA, o USS Carney, havia abatido mísseis anti-navio e drones. E na quinta-feira, as forças dos EUA abateram um drone Houthi sobre o Golfo de Aden e destruíram um drone de superfície no Mar Vermelho, disse.

Enquanto isso, dois mísseis balísticos lançados de áreas do Iêmen controladas pelos Houthi erraram alvos no Mar Vermelho, disse o Comando Central.

Conflito regional

Os ataques aos navios do Mar Vermelho são apenas algumas das dezenas que foram feitas por grupos apoiados pelos iranianos no Iêmen, no Líbano, na Síria e no Iraque desde que a guerra em Gaza eclodiu em outubro passado.

O mais mortal deles para os militares dos EUA ocorreu no domingo passado, quando um ataque de drone a um posto avançado dos EUA na Jordânia matou três soldados americanos. Os EUA acreditam que um grupo guarda-chuva de militantes denominado Resistência Islâmica no Iraque esteve por trás do ataque.

Imagem de satélite mostra a base americana “Tower 22”, na Jordânia, que foi alvo de ataque de drone que matou 3 militares dos EUA. / Planet Labs PBC

O presidente Joe Biden disse aos repórteres na terça-feira que havia tomado uma decisão sobre a resposta dos EUA ao ataque, mas se recusou a fornecer mais detalhes.

As opções para a administração Biden poderiam envolver ataques a ativos iranianos na região – mas atacar dentro do próprio Irã é altamente improvável, disseram as autoridades, uma vez que Washington não procura uma guerra direta com Teerã.

Autoridades dos EUA disseram à CNN esta semana que há sinais de que o Irã pode estar cada vez mais preocupado com os seus representantes estarem a levar longe demais os ataques aos interesses dos EUA, ameaçando perturbar a economia global e aumentando significativamente o risco de um confronto direto.

Mas alguns atuais e antigos responsáveis ​​dos EUA estão céticos quanto à possibilidade do Irã mudar substancialmente as suas tácticas. Um oficial militar dos EUA baseado no Oriente Médio disse que o Irã está “muito feliz com a forma como as coisas estão acontecendo”.


Rebeldes ficaram a segundos de atingir navio dos EUA | LIVE CNN

(Oren LIebermann, da CNN, Katie Bo Lillis e Natasha Bertrand contribuíram para esta reportagem)


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://publicanews.com.br/.
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp