23/01/2024 às 22h18min - Atualizada em 23/01/2024 às 22h18min

Justiça nega pedido de Alexandre para que Ana Hickmann seja censurada nas redes

Mônica Bergamo / Folhapress
Reprodução

A Justiça negou pedido de Alexandre Correa, ex-marido de Ana Hickmann, para que ela fosse proibida de falar sobre o episódio de violência doméstica em que ela o acusa de tê-la agredido.

Correa acusava a apresentadora de praticar alienação parental ao fazer a acusação contra ele na imprensa e em redes sociais. E pedia que ela fosse censurada em suas manifestações argumentando que isso poderia prejudicar o relacionamento dele com o filho, Alexandre Junior, de 9 anos.

No pedido de tutela de urgência que apresentou à Justiça, ele citava uma entrevista ao Domingo Espetacular em que Ana Hickmann o chamou de "agressor, canalha, ladrão e covarde".

Pedia ainda que fosse determinada uma multa no valor de R$ 100 mil "caso essa [a apresentadora] promova ou realize campanha de desqualificação da conduta do genitor [Alexandre Correa] no exercício da paternidade ou maternidade em rede social ou por qualquer outro meio".

Na decisão em que negou o pedido de Correa, a juíza Andrea Leme Luchini afirmou que não está "evidenciado nexo entre a questão aventada e o objeto do processo, com repercussão sobre a convivência e vínculo afetivo entre pai e filho".

Antes de tomar a decisão, ela pediu que o Ministério Público se manifestasse.

O promotor de Justiça André Brunoro afirmou que "não há comprovação ou relatos de que o filho [de Alexandre e Ana] estaria sendo influenciado pelos supostos comentários ou afirmações da requerida e, ainda, que o direito de convivência entre o genitor e o filho esteja sendo prejudicado ou afetado".

Disse ainda que não há, nas postagens de Ana Hickmann nas redes ou em entrevistas, "comentários em relação ao exercício da paternidade e nem dificuldade ou obstáculo ao exercício do direito de convivência pelo requerente".

O advogado Henrique Ávila, que defende a apresentadora, festejou a decisão. "O agressor normalmente quer calar a vítima. Mas o MP e o Judiciário são sempre vigilantes em impedir esse tipo de ameaça", diz ele.


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://publicanews.com.br/.
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp