19/01/2024 às 09h59min - Atualizada em 19/01/2024 às 09h59min

Governo quer limitar deduções de serviços de saúde no Imposto de Renda

Avaliação é que a ausência de um teto para esse abatimento está privilegiando contribuintes com rendas mais altas; um dos exemplos é o botox

Redação Terra
https://www.terra.com.br
Imposto de Renda Foto: Agência Brasil
Resumo
  • O governo Lula estuda restringir o uso de deduções por serviços de saúde no Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF) devido às taxas altas dos privilegiados, que reduzem a arrecadação da Receita Federal. Uma força-tarefa foi formada para identificar mudanças para aumentar a arrecadação sem prejudicar quem mais precisa dela.
 
O governo Lula estuda limitar e estabelecer um teto para deduções de serviços de saúde no Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF), segundo informações do jornal Folha de S. Paulo. A avaliação da área econômica é que o dispositivo acaba privilegiando contribuintes com rendas mais altas.

Um dos exemplos é o uso de serviços como aplicação de botox -- um procedimento estético -- para recolher menos tributos. Tipos de serviços como esse, que não são essenciais, acabam reduzindo significativamente a arrecadação.
Aplicação de botox

Aplicação de botox

Aplicação de botox
Foto: Adobe Stock

Segundo relatório do governo, 88% dos descontos com despesas médicas no IRPF foram solicitados por 20% da população com maior renda, contra 0,8% utilizados por 50% dos mais pobres. 

De acordo com o jornal, somente em 2022, a Receita Federal perdeu R$ 17 bilhões em arrecadação devido à deduções com gastos com saúde no IRPF, que chegou ao montante de R$ 128 bilhões naquele ano. 

Força-tarefa

Esse tema é um dos analisados na Junta de Execução Orçamentária (JEO), formado pelos ministros da Fazenda (Fernando Haddad), Planejamento (Simone Tebet), Casa Civil (Rui Costa) e Gestão (Esther Dweck). A ideia é que a força-tarefa identifique o que pode ser revisto para aumentar a arrecadação ou aliviar o Orçamento público. 

Uma mudança desse tipo no Imposto de Renda, no entanto, não cabe somente ao governo. A dedução de tributos com serviços de saúde é previsto em lei, e qualquer alteração precisa passar pelo Congresso Nacional. E o clima entre Executivo e Legislativo, principalmente na área econômica, já está sensível desde que Haddad derrubou um veto a respeito da desoneração da folha.

Ponto de atenção

À Folha, Mauro Silva, presidente da Unafisco (Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal), chama atenção para que a mudança não prejudique quem mais precisa dela. Ele sugere que a dedução fique em um patamar suficiente para gastos de uma família com serviços de saúde. 

O presidente da Unafisco também sugere mais fiscalização, o que poderia reduzir abusos como o caso do botox, um procedimento estético que é deduzido como gasto com tratamento dermatológico.

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »