29/12/2023 às 20h01min - Atualizada em 29/12/2023 às 20h01min

Após avassalador ataque de mísseis da Rússia, líderes europeus prometem apoiar Ucrânia “enquanto for necessário”

União Europeia (UE) busca alternativas para manter seu apoio financeiro, humanitário e militar a Kiev depois de a Hungria barrar pacote de assistência ao governo ucraniano

Da CNN
https://www.cnnbrasil.com.br
Presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, comenta riscos da guerra de Israel Yves Herman/Reuters (13.set.23)
Após o ataque aéreo avassalador da Rússia contra a Ucrânia entre a noite de quinta-feira (28) e a manhã desta sexta-feira (29), as autoridades europeias prometeram apoiar a Ucrânia a longo prazo.

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, disse que a União Europeia (UE) continuará a apoiar a Ucrânia “enquanto for necessário”.

“Apoiamos a Ucrânia desde o primeiro dia da guerra contra a Rússia. Com quase 85 bilhões de euros em apoio financeiro, humanitário e militar”, disse a presidente.

“Continuaremos apoiando a Ucrânia enquanto for necessário. E agora estamos abrindo a porta da UE ao nosso amigo e vizinho”, continuou von der Leyen.

O último pacote proposto de ajuda da UE à Ucrânia foi bloqueado pela Hungria no início deste mês, mas a maioria dos membros está explorando a utilização de diferentes mecanismos para continuar a prestar assistência financeira à Ucrânia.

Depois de uma reunião de cúpula da UE este mês, von der Leyen declarou: “Estamos trabalhando arduamente, claro, para obter um resultado onde haja um acordo entre os 27 Estados-membros”.

“Trabalho sobre alternativas potenciais” também estava em andamento caso não fosse possível alcançar a unanimidade, acrescentou ela.

O primeiro-ministro do Reino Unido, Rishi Sunak, disse que os últimos ataques da Rússia à Ucrânia mostram que o presidente russo, Vladimir Putin, “não irá parar diante de nada” para alcançar o seu objetivo de “erradicar a liberdade e a democracia”.

“Não vamos deixá-lo vencer”, disse Sunak em uma postagem no X (antigo Twitter). “Devemos continuar a apoiar a Ucrânia – enquanto for necessário”, acrescentou.

Sunak estava respondendo a uma postagem no X do presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, na qual ele disse mais cedo que “a Rússia usou quase todo tipo de arma em seu arsenal” para lançar ataques, visando uma maternidade, instalações educacionais, um shopping center, edifícios residenciais, casas e outras estruturas.

Josep Borrell, alto representante da UE para os negócios estrangeiros e a política de segurança, repetiu que o bloco permanecerá ao lado da Ucrânia “enquanto for necessário”.

“Da noite para o dia, a Rússia lançou um dos maiores ataques desde a invasão à Ucrânia contra cidades e a população. Foi mais um ataque covarde e indiscriminado a escolas, a uma estação de metrô e a um hospital”, escreveu ele no X.

O Ministério francês da Europa e dos Negócios Estrangeiros condenou a “estratégia de terror da Rússia na Ucrânia”.

Num comunicado divulgado nesta sexta-feira, o ministério afirmou: “A Rússia está prosseguindo a sua estratégia de terror que visa destruir a infraestrutura civil ucraniana, a fim de minar a resiliência da população ucraniana neste segundo inverno do conflito”.

A França prometeu o seu apoio contínuo à Ucrânia, prometendo fornecer ao país devastado pela guerra “a assistência necessária para lhe permitir exercer a sua defesa legítima”.

O presidente da Moldávia, Maia Sandu, afirmou que o último ataque da Rússia à Ucrânia “ressalta a necessidade urgente” de reforçar as defesas aéreas da Ucrânia.

“Profundamente perturbado pelo ataque aéreo massivo da Rússia às cidades ucranianas hoje. Meus pensamentos estão com todos os afetados esta manhã e todos os dias desta guerra brutal”, disse Sandu em um post.

“A agressão de hoje sublinha a necessidade urgente de reforçar as capacidades de defesa aérea da Ucrânia para proteger vidas”, acrescentou.


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://publicanews.com.br/.
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp